×





×





×





×





×


Logo MaisEsports
Notícias
Campeonatos
Outros
Mais Esports

Opinião: Respeitem as arquibancadas brasileiras

Geral

Após o término do VCT Lock In, muito se falou sobre o comportamento da torcida brasileira. A cultura de arquibancada do brasileiro e da brasileira foi atacada por um jogador que não entende o que se passa no país.

Foto: Bruno Martins/Mais Esports

Somos e torcemos como latinos

Primeiro é preciso situar geograficamente onde estamos: América Latina. O esporte sempre foi uma válvula de escape dos muitos problemas que cada indivíduo possui em sua vida. O amor pelo esporte está na alma do brasileiro e na arquibancada.

Na periferia do mundo, a cultura de arquibancada é diferente. Como esporte mais popular do Brasil, é natural que o futebol seja referência para os torcedores no VALORANT ou CS:GO. Desde crianças aprendemos o jeito brasileiro de torcer e essa maneira vai às arenas de esports. Gostem os estrangeiros ou não.

Para entender a arquibancada brasileira nos esports é preciso entender os estádios brasileiros. As músicas que tanto gostam vem dos templos do futebol brasileiro, assim como as canções que não gostam. E está tudo bem. O problema é relacionar a vibração com atos criminais.

torcida arquibancada brasileira no vct lock in
Foto: Colin Young-Wolff/Riot Games

Críticas sem contexto

Jogador da NRG, ardiis não tem que ser fiscal de torcida. Não é ele quem dirá o que o torcedor brasileiro irá cantar ou como deve se comportar. Quem manda em nossa casa somos nós. Aliás, arddis, além de tecer uma crítica infundadas à torcida brasileira, acusou, sem ao menos entender o contexto, os brasileiros do crime de incitação à violência.

O jogador está certo ao cobrar providências sobre o roubo de equipamentos. Isso é inadmissível em um campeonato internacional. Mas imputar crimes à torcida brasileira não faz sentido.

Uma das críticas de ardiis é o grito “Uh, vai morrer!”. Para o jogador, isso seria uma ameaça dos brasileiros. O letão nunca frequentou estádios brasileiros, não entende a cultura de arquibancada. Portanto, ele não pode falar algo que não tem domínio apenas por falar.

torcida brasileira na iem rio major 2022 ESL
Foto: Adela Sznajder/ESL

Quando falamos que o adversário chegou ao ‘Território Hostil’, não quer dizer que os jogadores vão sofrer agressões, mas que serão pressionados para perder. Quando cantamos que a arena ‘Vai virar um Inferno’, não transformaremos o ginásio no conceito bíblico do termo.

É preciso que os jogadores e personalidades que venham até o Brasil, ou que criticam de casa, tenham o conhecimento de figuras de linguagem e não levem tudo literalmente.

Eurocentrismo exacerbado

Na Europa, continente de origem de ardiis, a cultura de arquibancada é diferente. O jogador já ouviu falar em pressão contra o time adversário? A torcida está lá para torcer pela sua equipe e para ajudá-la a sair com a vitória, faz pressão. Ninguém vai matar ninguém, ardiis, pode ficar tranquilo.

O letão comparou o VALORANT ao MMA ao dizer que o grito “Uh, vai morrer!” é do esporte citado e que não estamos nele. Veja bem, o VALORANT é um jogo do gênero de Tiro em Primeira Pessoa. Os jogadores compram armas para matar os adversários e vencer.

O canto pode ser para um adversário ser eliminado no final do round ou para botar pressão no adversário antes do jogo. Como já dito antes, ninguém vai matar ninguém de verdade. 

torcida arquibancada brasileira no vct lock in
Foto: Colin Young-Wolff/Riot Games

Nossa gente vem primeiro

Outra crítica sem sentido é a de tarik. O americano criticou a torcida brasileira por deixar o Ginásio do Ibirapuera antes da Fnatic levantar o troféu que conquistou contra a LOUD. O ex-jogador apenas esqueceu que quase a arquibancada inteira era LOUD. O torcedor é movido pela paixão. Ele não pode cobrar o torcedor por isso.

Em determinado momento, tarik criticou a torcida brasileira por marcar presença nos jogos para assistir os times brasileiros e seus jogadores, mas não demonstrou amor por outras equipes.

Que tipo de amor tarik estava esperando? Vamos às arenas assistir e apoiar os nossos. Se o adversário não tem torcida no ginásio, paciência. É do jogo e não foi desprezo. Apesar de ter jogado no MIBR, tarik não aprendeu a cultura de arquibancada brasileira. É normal.

torcida arquibancada brasileira no vct lock in
Foto: Bruno Alvares/Riot Games

Torcemos para os nossos e se nossa gente não conquistar o título, é natural que deixaremos a arena após a derrota. Não é que não respeitamos o adversário, só estamos tristes por não ficar com o título, principalmente da forma como aconteceu ali no Lock In, em que ficamos a dois pontos de levantar a taça.

Aliado a isso, ainda houve reclamações de um calor insuportável na arena e seguranças “expulsando” os torcedores assim que acabou o evento. Junto a isso, ainda temos que ressaltar que São Paulo não é nada seguro às 9 horas da noite.

Imagem da torcida na IEM MAjor Rio 2022 durante FURIA vs NAVI
Foto: Josip Brtan/HLTV

Mas, sendo sincero? Mesmo se não tivesse acontecido nenhuma dessas situações, não se pode tirar o direito do torcedor brasileiro de sentir a tristeza da derrota, de apenas querer ir embora após torcer cinco horas seguidas e não chegar ao título.

Isso não é desrespeito com o adversário, mas apenas nosso modo de torcer. Gostem ou não, a arquibancada brasileira merece respeito

Vou reafirmar: a cultura de torcida do esports brasileiro é muito similar às arquibancadas dos estádios de futebol, é nossa referência. O torcedor é passional. Não espere atitudes racionais diante de uma derrota amarga.

Não estamos errados por sermos diferentes

A conclusão que podemos tirar disso tudo é que muitos estrangeiros desconhecem a cultura da torcida brasileira e projetam nos brasileiros aquilo que eles pensam que é “certo”, o que é errado.

Estamos em outro país e em outro continente. Com vivências diferentes, torcemos como aprendemos desde crianças, pressionamos e ficamos tristes quando nossa equipe não conquista o que se espera. 

Isso não é desrespeito com o adversário, mas apenas nosso modo de torcer. Gostem ou não, a arquibancada brasileira merece respeito.

Foto: Reprodução/ESL
Bruno Martins

por Bruno Martins

Publicado em 11 de março de 2023 • Editado há mais de 1 ano

Matérias Relacionadas
Geral
CBLOL 2024: brTT e LOS não possuem mais chance de playoffs
Geral

CBLOL 2024: brTT e LOS não possuem mais chance de playoffs

Após o resultado da rodada e mais uma derrota, dessa vez para o Fluxo, as chances da LOS e brTT irem aos Playoffs estão zeradas.

Há 8 dias
Geral
Comitê Olímpico Internacional oficializa Olimpíadas dos Esports na Arábia Saudita
Geral

Comitê Olímpico Internacional oficializa Olimpíadas dos Esports na Arábia Saudita

O Comitê Olímpico Internacional (COI) oficializou que as Olimpíadas de Esports vão acontecer na Arábia Saudita. Confira mais detalhes na matéria!

Há 9 dias
Geral
Riot cancela projeto não anunciado baseado em Super Smash Bros
Geral

Riot cancela projeto não anunciado baseado em Super Smash Bros

A Riot cancelou um projeto baseado no jogo de luta Super Smash Bros. O jogo não havia sido anunciado, entenda o caso na matéria.

Há 11 dias
Geral
LCK 2024: Deft alcança feito que só Faker havia conseguido
Geral

LCK 2024: Deft alcança feito que só Faker havia conseguido

Neste sábado, em partida contra a T1, o Deft alcançou uma marca que até então só Faker, o maior da história, havia conseguido.

Há 22 dias
Geral
LOUD anuncia Coringa como novo sócio da organização
Geral

LOUD anuncia Coringa como novo sócio da organização

A LOUD anunciou na noite desta quinta-feira (27) através das redes sociais, que Coringa se tornou o novo sócio da organização.

Há 24 dias
Geral
Gaules, Coringa e mais brasileiros são finalistas do Esports Awards 2024
Geral

Gaules, Coringa e mais brasileiros são finalistas do Esports Awards 2024

O Esports Awards, premiação internacional de esports, anunciou os primeiros finalistas de algumas categorias presentes no evento.

Há 24 dias

















































Campeonatos Atuais