CS:GO: dead: “No trabalho diário tudo tem sido feito com maestria, mas não conseguimos colocar em jogo o que treinamos”

CS:GO
De:Bruno Martins-
August 30, 2020

Após os resultados ruins da MIBR, dead, manager da equipe, foi ao canal oficial da organização na Twitch responder algumas perguntas. No AMA, torcedores e personalidades questionaram dead sobre diversos assuntos; confira como foram as respostas do manager.

dead
dead, manager da MIBR. Foto: HLTV

No início da entrevista, dead afirmou que a MIBR não está à procura de um treinador, mas que chegou a negociar com dois analistas. A negociação, no entanto, não evoluiu e os brasileiros não fecharam negócio.

Uma questão que dead pontou durante toda a entrevista foi que a MIBR consegue desempenhar bem nos treinos e nos jogos, a equipe não consegue colocar em prática o que treinou. “No trabalho diário tudo tem sido feito com maestria. A gente não tá conseguindo colocar durante o jogo o que fazemos de olho fechado no treino”.

Os resultados ruins não são novidade na MIBR. A cobrança por títulos são uma demanda antiga dos torcedores. Segundo dead, a falta de resultados da equipe é ocasionada por conta da MIBR não ficar com o mesmo elenco “por mais de quatro meses”.

Outra coisa que foi abordado foi a adição de um sexto player, ideia que foi rechaçada por dead. Para isso, o manager afirma que teria que ser um jovem jogador promissor e prepará-lo para o futuro, mas que a MIBR não pensa nisso no momento.

MIBR
Elenco da MIBR (Foto: Reprodução/MIBR)

A situação da MIBR está complicada no RMR. A equipe precisa fazer seu resultado e torcer por tropeços dos adversários para avançar ao Major do Rio. Dead falou sobre a classificação e deu esperanças aos torcedores. “Creio que sim [que vamos classifcar ao Major]. Enquanto tiver chance, vamos lutar. Temos chance. Não vejo como uma coisa impossível. [Classificar] não chega a ser milagre, é bem possível”.

Questionado sobre o que iria acontecer caso a MIBR não se classifique ao Major, dead cravou: “O Major está tão cagado que é normal. A gente ficaria muito chateado se fosse no Brasil, mas a chance de acontecer o Major no Brasil é zero na minha visão. Então, menos mal. Essa é a realidade e prefiro falar a verdade para vocês”.