CS:GO: NBK rechaça título de “exército de um homem só” da Vitality

CS:GO
De:Roque Marques-
August 29, 2019
nbk vitality
NBK, da Vitality, durante o The New Challengers Stage (Foto: Igor Bezborodov/StarLadder)

Nem Nathan “NBK” Schmitt nega que Mathieu “ZywOo” Herbaut seja o destaque absoluto da Team Vitality. Mas, para o veterano francês, a ideia de que a equipe é um “exército de um homem só” não procede.

“As estatísticas provam essa história [do ZywOo carregar], ele tem os melhores números entre nós, mas, do outro lado, todos podemos aparecer quando necessário. E isso é o que as estatísticas não mostram”, contou NBK em entrevista ao Mais Esports.

Continue após a publicidade

“A consistência dele o transforma nisso [o melhor jogador]. Eu posso o colocar nas melhores posições e aproveitar disso. Nós só aparecemos quando necessário, temos altos e baixos, mas um elenco bem definido e não precisamos de todos matando muito”, completou.

Assim como Russel “Twistzz” Van Dulken, NBK afirmou que não se importa muito com os números – para ele, é preferível ficar com a vitória no final.

“Não ligamos para estatísticas, no fim do dia o que importa é vencer jogos e você pode trazer todos os números que quiser e dizer que é um exército de um jogador só e esse tipo de coisa. Quando é necessário, nossos jogadores aparecem com ele e isso é o que importa. Não lemos muito as críticas nesse sentido. Fazemos nosso jogo, no nosso estilo e funciona”, afirmou.

VITÓRIA DIANTE DA FAZE

Embalada após bater a North na estreia, a Vitality atropelou a FaZe Clan. Com um lado defensivo – comandado por NBK -, muito forte, os franceses venceram por 16-7 na Dust2. Para o francês, o time estava muito confortável no confronto.

“Desde o começo do campeonato estamos nos sentido confiantes nas minhas calls no lado CT. Isso apareceu nesse jogo novamente, eles rusharam B no primeiro armado e tínhamos três jogadores lá, esperando por eles. Depois foi isso o tempo inteiro, ganhamos situações apertadas, mas sinto que sempre estivemos um passo à frente”, contou.

“Foi uma mistura de todo mundo confiando nas minhas calls e executando elas corretamente e eu fazendo as calls corretas. Isso cria, automaticamente, coisas boas. Headshots bons, um bom trabalho de equipe e tudo se encaminha”, completou NBK.

EVOLUÇÃO NO MAJOR

Quem assistiu a vitória avassaladora contra a FaZe, a segunda em dois jogos no The New Legends Stage, não imagina que a Vitality sofreu na semana passada. Favorita no The New Challenger Stage, a equipe acabou passando no sufoco com um 3-2.

Para NBK, é difícil explicar o que mudou durante a pequena pausa entre os estágios.

“Até para nós mesmos é difícil responder o que mudou exatamente. O que está parecendo é que estamos jogando bem melhor como um time, muito mais juntos. O que nos ajuda é que embalamos. Por exemplo, no lado CT de hoje, só passamos por ele, sem muitos problemas, tudo funcionou. Não tivemos que lutar para achar soluções e isso nos ajuda, não ter esses problemas na mentalidade. Não somos mais os favoritos nesse torneio”, contou o jogador.

“Era esperado que passássemos o Challenger Stage destruindo todo mundo, mas é difícil, não importa o adversário. A prova disso é a DreamEaters passando e a Syman ficando 2-3, eram os dois últimos seeds do torneio. Tudo pode acontecer nesses estágios, mas o que importa é o final, conseguimos passar e está tudo bem”, completou.

“Nos acostumamos com o lugar, com o ambiente e como tudo funciona, como é o sistema. Definitivamente ajuda, principalmente no primeiro dia. Mas agora acho que todos os times já estão no mesmo nível. A diferença é que está bem calor lá fora e estamos mais acostumados com o que está em volta do jogo e isso te ajuda a se sentir mais confortável”, explicou.

CALLS DIVIDIDAS

Atual número dois do mundo, a Vitality divide o papel de capitão em dois. NBK comanda o time no lado defensivo, enquanto Alex “ALEX” McMeekin é o responsável por montar as ofensivas da equipe.

NBK explicou que o sistema não é complexo e a não há problemas em aplicá-lo: “Eu gosto de ter controle dos lados CT porque sei os setups, o que fazer dependendo da situação. Enquanto eu estou liderando o CT eu tenho 10 estratégias na minha cabeça e estou escolhendo, misturando o tempo todo”.

“No lado TR eu só cumpro meu papel. Eu fico de lurker, faço o suporte e completando onde é preciso. Eu não dou muitos conselhos [de TR], mas se eu tenho boas ideias de como lidar com um bomb, a economia ou esse tipo de coisa eu coloco minha opinião. É assim que funciona. Nosso treinador tem uma ótima relação com o ALEX e trabalham juntos para preparar os TRs e fazê-los funcionar. É isso, não é ciência de gênios, nós só somos responsáveis por nossos lados e precisamos tirar o melhor disso”, finalizou.