Qual é a diferença de nível entre os top laners da LPL, da LCK e da LEC?

Geral
De:Podela-
April 16, 2021

Durante as últimas semanas, a caster Froskurinn levantou a discussão sobre existir uma possível disparidade entre os top laners europeus e asiáticos (LPL e LCK). Ao observar essa opinião, agi com determinadas ressalvas, pois ela costuma ser enviesada e parte de um pressuposto que “jogadores da LPL e da LCK são sempre os melhores”. Entretanto, resolvi deixar as ressalvas de lado e realizar uma comparação estatística envolvendo as três ligas.

No processo, dividi a análise das estatísticas em duas etapas: relevância dos jogadores na fase de rotas e o quão participativos eles são ao decorrer da partida no que tange a aplicação de dano e a presença em abates. Além disso, a comparação envolve a etapa regular e os playoffs. É lógico que existem fatores que não podem ser quantificados, mas, ainda assim, é uma boa base para alcançar algumas conclusões sobre a seguinte afirmação.

Fase Regular

Em relação a fase de rotas, nos primeiros dez minutos, os top laners da LPL apresentam números exponencialmente superiores se comparados com jogadores coreanos e europeus. Geralmente, em média, eles se encontram 39 de ouro, 33 de XP e 1,5 CS a frente de seus adversários. Enquanto os europeus estão 2,2 de ouro e 0,06 de CS atrás e 0,2 de XP a frente. E os coreanos estão atrás em todos os quesitos: 3,7 de ouro, 1 de XP e 0,2 de CS.

No aspecto individual, a comparação entre os jogadores com as melhores estatísticas de suas regiões é, também, extremamente vantajosa para liga chinesa. TheShy e Nuguri possuem, respectivamente, 262 e 257 de ouro, 261 e 205 de XP e 11,6 e 9,7 de CS em média a frente de seus rivais de região. Coreia e Europa encontram-se mais próximos na comparação: Kiin e Rascal – 178 e 109 de ouro, 177 e 42 de XP e 3,5 e 2,5 de CS de vantagem respectivamente; Odoamne e Wunder – 183 e 183 de ouro, 80 e 41 de XP e 7 e 7 de CS de vantagem.

Esse números indicam, basicamente, que os chineses tendem a ter melhores fases de rotas que os europeus e os coreanos. Conclusão totalmente compatível com o perfil dos jogadores que integram a LPL: dominantes e agressivos. Além disso, apontam certa familiaridade na forma que os jogadores da LEC e da LCK encaram os minutos iniciais das partidas.

Odoamne Rogue toplaner
Odoamne, toplaner da Rogue (Foto: LoL Esports/Reprodução)

Trazendo o mid game a tona, em média, a LPL apresenta superioridade ao aplicar dano, mas é menos participativa que a LCK nos abates. Os top laners chineses apresentam 464,5 de DPM, 21,65% de DMG% (Dano Compartilhado pela Equipe) e 59,18% de KP% (Participação em Abates). Os coreanos aplicam 448,2 de DPM e 24% de DMG% e têm 60% de KP. E os europeus alcançam 379,4 de DPM, 22,5% de DMG% e 58,8% de KP%.

Individualmente, TheShy e Nuguri possuem números superiores que seguem a tendência média na comparação: 574 e 593 de DPM, 26,2% e 26,6% de DMG% e 54% e 52% de KP%, respectivamente. Os coreanos Khan e Kiin possuem 500 e 482 de DPM, 23,2% e 26,6% de DMG% e 60,4% e 58,5% de KP%. Odoamne e Wunder têm 469 e 489 de DPM, 23,6% e 22,5% DMG% e 56,7% e 55,5% de KP% de forma respectiva.

Antes de apontar o que indicam os números, é necessário entender alguns ruídos que se encontram neles. É extremamente natural que os top laners da LCK participem mais de abates e contribuam mais para o dano de suas equipes em porcentagem, devido à menor média de abates da liga em comparação a LPL. A lógica é simples: quanto mais abates tem uma partida, mais difícil é participar deles; quanto mais abates, maior a probabilidade de pessoas diferentes aplicarem dano.

Além disso, os chineses tendem a jogar isolados com a intenção de criar zonas de pressão nas rotas laterais, em contrapartida os coreanos preferem se organizar para lutar em bloco ao redor de objetivos neutros.

No fim, os números dizem muito mais sobre os jogadores da rota do topo da LCK em comparação aos da LEC no que tange o mid game. Mesmo com perfis de lane phase parecidos, Khan e seus companheiros de posição são mais relevantes ao infligir dano em lutas do que os europeus, o que os tornam mais eficientes em um aspecto geral, ainda mais em um meta onde os jogos são condicionados por team fights.

Playoffs

Nuguri damwon toplaner
Nuguri enquanto toplaner da DAMWON (Foto: LoL Esports/Reprodução)

Antes da comparação estatística, é necessário deixar claro que, aqui, os números da LCK não serão utilizados devido a menor quantidade de jogos. Como a amostragem é pequena, qualquer atuação discrepante, seja boa ou ruim, condicionaria os dados e traria uma conclusão enviesada. Sendo assim, a discussão será pautada entre os jogadores que tiveram pelo menos seis jogos no playoff da LEC ou LPL.

As tendências médias entre as duas ligas continuam parecidas: os top laners chineses jogam melhor a fase de rotas, aplicam mais dano em lutas, além de possuírem uma taxa participação em abates semelhantes aos da LEC. Os jogadores da LPL têm 15,8 de ouro, 25 de XP e 0,5 de CS a frente aos dez minutos, enquanto os europeus possuem 13 de XP e 0,03 de CS atrás e 0,33 de vantagem nos momentos iniciais de partida.

No comparativo individual, com os jogadores finalistas de ambas ligas, Nuguri cria vantagens monstruosas sobre seus adversários e domina o ouro (361), o XP (245) e o CS (7,6). Xiaohu tem, diferente da fase regular, estatísticas ruins em relação a fase de rotas e está atrás em ouro (-274), em XP (-389) e em CS (-12,6). Os europeus Armut e Odoamne apresentam determinado equilíbrio e têm, respectivamente, 166 e 87 de ouro e 18 e 80 de XP de vantagem. Entretanto, Odo farma melhor (3,9) e Armut esta em desvantagem nesse aspecto (-4,7).

Mesmo com a presença negativa na lane phase por parte de Xiaohu, os dois jogadores da LPL são muito mais relevantes na aplicação de dano e na participação de abates que os dois europeus. Nuguri e Xiaohu apresentam, respectivamente, 572 e 440 de DPM, 29,5% e 22,5% de DMG% e 70% e 63,8% de KP%. Armut aplica 426 de dano por minuto, participa em 21,7% do dano da equipe e está presente em 61,2% dos abates; ao mesmo tempo que Odoamne contribui com 346 de DPM e isso representa 18,6% do dano de seu time, além de participar de 56,6% dos abates.

Antes de prosseguir, é mandatório apontar que a baixa eficiência de Odomane em infligir dano está relacionada a função dos campeões que utilizou durante as séries eliminatórias. Ao longo da maioria de suas partidas, o jogador da Rogue teve o campeão Karma em mãos, em uma atribuição utilitária, fator que reduz drasticamente seu potencial de ser uma ameaça nesse aspecto.

De mais a mais, os números de Xiaohu, Nuguri, Armut e Odoamne seguem a tendência comparativa entre as ligas em relação a aplicação de dano nos playoffs. Entretanto, Xiaohu e Nuguri participaram mais de abates que a média a LPL. Na LEC, regularmente, os top laners alcançam 422 de DPM, 22% de DMG% e 60% KP%; na China possuem 500 de DPM, 24% de DMG% e 58% de KP%.

Xiaohu RNG toplaner
Xiaohu, toplaner da RNG (Foto: LoL Esports/Reprodução)

Conclusão

Após observar os dados, é possível apontar um veredicto sobre a discussão levantada por Froskurinn. De fato, há uma grande superioridade dos top laners chineses sobre os europeus, principalmente na fase rotas, onde conseguem criar grandes vantagens através de trocas e onde exploram com mais intensidade match-ups vantajosos. Em oposição, os coreanos têm perfis parecidos com os ocidentais e encaram a lane phase de forma menos enfática.

Entretanto, no que corresponde ao mid game e à lutas, os topos da LEC são menos relevantes, ou seja, não utilizam tão bem os recursos que têm em mãos para impactar e carregar partidas. Do outro lado, os jogadores da LCK conseguem causar mais dano em seus jogos mesmo fora de condições favoráveis, contribuindo com maior relevância para os confrontos. E a LPL está a frente das duas regiões nesse quesito.

Ainda assim, existem diversos contextos que não podem ser expostos numericamente, como, por exemplo, o quão bem cada jogador manipula a onda de minions ou o quão inteligente é cada jogador para utilizar as brechas de visão com a intenção de criar uma jogada. Além disso, elementos defensivos também não são quantificados, como mitigação de dano ou como criar zoning para negar a entrada da linha de frente adversária em uma luta.

Posto isso, a afirmação da Frosk faz bastante sentido, principalmente quando a comparação é entre Europa e LPL. Com a LCK, não há disparidade em relação ao quão bem os jogadores abordam a fase de rotas, contudo, os coreanos são muito mais ativos e mais relevantes nas lutas em equipe e no mid game.