×





×





×





×





×


Logo MaisEsports
Notícias
Campeonatos
Outros
Mais Esports

Inseguro: Reflexões sobre o novo Circuito Desafiante

O ano de 2015 foi o ano mais brilhante do competitivo brasileiro, com uma estruturação gigante e a expansão colossal da qualidade do Campeonato Brasileiro de League of Legends, entregando a centenas de milhares de pessoas uma experiência fantástica.  Dessa forma, o glorioso CBLOL incentiva milhões de jogadores a se dedicarem ao jogo e realizar o sonho de sentar em uma das confortáveis cadeiras do torneio. Contudo, antes da glória, vem a luta.

Longe dos holofotes e da produção de qualidade, o Circuito desafiante sofreu incontáveis reclamações no ano de 2015, desde atrasos enormes até a alteração nos times da promoção devido a dificuldades em manter jogadores. Tendo isso em mente, a Riot games anunciou um novo modelo para o Circuito no ano de 2016, que pode ser conferido aqui: http://cblol.com.br/noticias/ece95c32-5ff4-4200-8a8e-06ff52b5e79e .

Apesar de oferecer soluções a uma boa parte dos problemas existentes no Circuito, as mudanças propostas ainda não oferecem uma segurança completa aos competidores, repetindo erros que já foram corrigidos em outras regiões e incentivando a reprodução das mesmas falhas.

O fantasma do DDOSaa

 Em 2015, a equipe Denial, famosa por conter o jogador Wickd, era uma forte concorrente ao título da Challenger Series EU, o circuito desafiante europeu. Em uma semifinal contra a Dignitas EU (Atualmente membro da LCS EU, sob o nome de Follow Esports), a equipe havia empatado a série em 1×1, e o jogo de desempate deveria ser a partida que definiria todo o ano dos jogadores, visto que uma vitória garantia a classificação para o torneio de promoção da LCS EU. O que prometia ser um grande jogo acabou sendo patético, com a equipe de Wickd tendo que abandonar a partida devido ao fato de que um de seus jogadores estava sofrendo com problemas na conexão devido a um ataque DDOS. Assim, o trabalho de meses era destroçado simplesmente pela baixa proteção contra ataques DDOS.

Por mais trágico que seja, o problema enfrentado pela Denial é apenas um caso dentre dezenas, e dessa forma a existência desses ataques, junto a baixa proteção oferecida pela empresa nesses casos, estraga completamente o espetáculo. Além das consequências claras pra competição, ao alterar o resultado, a existência dos ataques DDOS promovem a ocorrência de inúmeros pauses dentro do campeonato, fato que deve continuar ocorrendo dentro do circuito desafiante 2016.

Oferecer uma proteção adequada nem sempre é possível ou é garantia de sucesso absoluto, contudo existe uma maneira simples de garantir que esses eventos não aconteçam durante a fase mais importante do campeonato: a utilização do estúdio do CBLOL na fase eliminatória.

Experiência e garantiasJAYOB E-Sports

 Realizar todo o circuito desafiante no estúdio do CBLOL é uma completa ilusão, as equipes não tem estrutura para isso e essa demanda ainda não existe, contudo dentro da fase eliminatória, realizar as partidas dentro do estúdio da Riot seria uma fonte de garantias e segurança.

Além de combater aos já comentados problemas recorrentes no Circuito desafiante, como os atrasos e os casos de DDOS, a realização de parte do evento dentro do estúdio promove experiência e vitrine aos jogadores.

 Atrasos e dificuldades com a conexão

  Atrasos comprometem o espetáculo brutalmente, retirando o interesse dos espectadores e forçando horas de conversas desconfortáveis por parte dos narradores. Longe de ser exclusividade brasileira, os atrasos infelizmente são uma constante nos circuitos desafiantes pelo mundo, contudo com a instabilidade dos serviços de internet no Brasil esses problemas acabam sendo mais recorrentes em nosso território.

            Lidar com atrasos é uma questão delicada e tem de ser feita de forma compreensiva, visto que muitas vezes os motivos estão além das capacidades do jogador. No CBLOL existe a possibilidade de Remake se um problema ocorrer antes de determinadas ações, estender essa segurança ao Circuito Desafiante, e possibilitar a substituição de jogador em caso de problema com a internet/DDOS, seria uma maneira de dar mais uma garantia ao espetáculo.

Qualidade da transmissão

            Em meio a possibilidade atrasos, ataques DDOS, falhas na conexão, problemas com o cliente de torneio e tantos outros elementos que podem vir a atrapalhar o andamento do torneio, uma transmissão realizada com preparo e qualidade é fundamental para o sucesso do circuito desafiante e a manutenção do público.

            A Xtreme League, responsável pela transmissão em 2016, precisa oferecer um material de qualidade, com entrevistas e depoimentos dos jogadores, com algum tipo de material na espera em caso de problemas com atrasos, além de uma disposição a analisar os jogos com a mesma proposta realizada dentro do CBLOL. As narrações cansativas, as conversas desgastantes em que os casters e a falta de elementos como replay ou análises não são mais aceitos em 2015/6, onde uma grande evolução na transmissão do esporte eletrônico já foi comprovada.

34304-estudio-riot-games

Janela de transferências

Assim como existe dentro do CBLOL, a criação de uma janela de transferências para o circuito desafiante seria muito bem vinda, evitando os problemas que comprometeram a participação de equipes como a Ownerd dentro da competição. É bem provável que esse mecanismo já exista dentro da competição no ano de 2016, mas como nenhuma informação referente a isso foi confirmada, é importante promover a discussão do tema.

Preparando para o futuro

A LCS NA e a LCS EU já demonstraram quais serão os próximos grandes desafios para os times do circuito desafiante, qual seja, a grande dificuldade em conciliar os interesses das organizações, jogadores e possíveis novos investidores. Ainda que não seja uma realidade concreta no Brasil, as diretrizes para esse tipo de problema já devem começar a aparecer no ano de 2016, evitando maiores confusões.

O Circuito Desafiante promete muito em 2016, mas para manter sua evolução e saúde, ainda precisa trabalhar alguns elementos.

:

Beavis

por Beavis

Publicado em 26 de novembro de 2015 • Editado há mais de 8 anos

Matérias Relacionadas
Geral
Quais são as 10 maiores premiações nas competições de esports?
Geral

Quais são as 10 maiores premiações nas competições de esports?

Qual é o esport com a maior premiação possível no ano de 2024? Confira na matéria o top-10 modalidades que mais pagam!

Há 21 horas
Geral
Entenda como será o requisito de participação da Copa do Mundo de Esports
Geral

Entenda como será o requisito de participação da Copa do Mundo de Esports

A Copa do Mundo de Esports além de ter data e modalidades confirmadas, agora foi divulgada como vai funcionar a participação das equipes. Acessa!

Há 3 dias
Geral
Brasileiro ganha R$ 1,5 milhão na Betboom
Geral

Brasileiro ganha R$ 1,5 milhão na Betboom

Você já se imaginou ficando milionário em menos de quatro minutos? Pois bem, na última semana um brasileiro conseguiu esse feito na Betboom!

Há 12 dias
Geral
CEO da FURIA cita “estereótipo do ocidente” sobre Arábia Saudita
Geral

CEO da FURIA cita “estereótipo do ocidente” sobre Arábia Saudita

CEO da FURIA, André Akkari falou sobre a organização estar entre 30 equipes que receberão dinheiro de um investimento da Arábia Saudita.

Há 15 dias
Geral
FURIA e LOUD receberão investimento de até “seis dígitos” de fundo Saudita
Geral

FURIA e LOUD receberão investimento de até “seis dígitos” de fundo Saudita

A fundação da Copa do Mundo anunciou um fundo de investimento em 30 organizações de esports, e a FURIA e LOUD são as representantes brasileiras nessa lista. 

Há 16 dias
Geral
Presidente Lula sanciona Marco Legal dos Games
Geral

Presidente Lula sanciona Marco Legal dos Games

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou nesta sexta-feira (3) o Marco Legal dos Games à indústria de jogos eletrônicos no Brasil.

Há 18 dias

















































Campeonatos Atuais